Economia | AM

Vinci é a vencedora do bloco Norte e leva aeroportos de Manaus, Tefé e Tabatinga

Aeroportos de Manaus | Foto: Internet
Aeroportos de Manaus | Foto: Internet
Zukka Brasil | AM
Escrito por Zukka Brasil | AM

O governo federal arrecadou R$ 3,3 bilhões em outorgas com o leilão de concessão de 22 aeroportos, nesta quarta-feira (07), um ágio médio de 3.822% em relação aos valores exigidos no edital. O certame ocorre em meio à maior crise da história do setor aéreo, causado pela pandemia do coronavírus.

Os vencedores da licitação deverão fazer investimentos que somam R$ 6,1 bilhões ao longo de seus contratos, que terão duração de 30 anos.

A concessionária CCR saiu como vencedora de dois dos três blocos de aeroportos: vai administrar os ativos do lote Sul, o mais cobiçado do certame, e do Central.

A Vinci, que já administra o aeroporto de Salvador, foi a vencedora do bloco Norte, formado por sete aeroporotos e que tem como principal ativo Manaus.

“Diziam que a gente era louco de colocar projetos (a leilão) em meio à pior crise do setor aeroportuário. Temos de ter ousadia. Muitos deram passos para trás, o que nos torna quase exclusivos, temos que aproveitar o excesso de liquidez lá fora”, disse o ministro da Infraestrutura, Tarcísio de Freitas.

A CCR fez propostas agressivas no certame. Levou o bloco Sul com a proposta de outorga fixa de R$ 2,128 bilhões, que representa ágio de 1.534% sobre o valor mínimo previsto no edital.

A concessionária disputou os ativos com a espanhola Aena, que fez o segundo maior lance, de R$ 1,050 bilhão, e com o consórcio formado pela gestora de fundos Pátria e o aeroporto de Houston.

O lote Sul era considerado pelo mercado o mais atraente por ter entre seus ativos os aeroportos de Curitiba, Foz do Iguaçu e Navegantes, com maior potencial turistico.

O bloco Central, que tem como principal aeroporto o de Goiânia, era tido como menos atrante e exigia outorga mínima de apenas R$ 8,15 milhões. A CCR venceu o leilão com um lance agressivo, de R$ 754 milhões, o que representou um ágio de 9.156%.

O lance da CCR foi significativamente superior aos dados pelas concorrentes Inframérica e Socicam, que não fizeram contraproposta. As duas deram ofertas de R$ 9,787 milhões e R$ 40,327 milhões nos consórcios que lideravam, respectivamente.

Já a Vinci disputou com o consórcio liderado pela francesa ADP a concessão do bloco Norte, composto por sete aeroportos e que tem como principal ativo o de Manaus.

A companhia levou o lote com a oferta de R$ 420 milhões, um ágio de 777% em relação à outorga mínima exigida no edital, que era de 47,86 milhões.

Leia mais no O Globo