Economia | AM

Sebrae impulsiona vendas do Artesanato Amazonense em Feira Internacional

Artesanato Amazonense
Artesanato Amazonense
Zukka Brasil
Escrito por Zukka Brasil

O Sebrae – Serviço Brasileiro de Apoio às Micro e Pequenas Empresas do Amazonas (uma base de mais de 194 mil negócios) participa da Feira Internacional de Negócios Criativos e Colaborativos Digital em João Pessoa, na Paraíba.

A artista Rita Prossi e o artesão Marcos Alexandre do Grupo Teçume da Floresta representam o Amazonas, no mais importante evento de comercialização de arte e artesanato de raiz do Brasil, que irá até o dia 14 de maio. Prossi, é vanguarda das bio joias amazônicas, e mora em Manaus, e Marcos Alexandre, é um dos mais destacados artesãos caboclo do Amazonas, seu atelier fica no Careiro Castanho.

Segundo Lilian Simões, analista sênior de arte, artesanato e moda do Sebrae Amazonas

“Esta é uma oportunidade única de divulgação e comercialização da arte e do artesanato amazonense, especialmente, os de mais elevado nível em design original, no gênero da floresta amazônica. Nesta hora de aflição, provocada pelo covid-19, que atinge a economia criativa local, por não ser permitida a comercialização em feiras presenciais. Desde que foram adotadas as medidas de segurança pública no estado e no município, contra as aglomerações geradoras de contágio, por decretos de calamidade publicados em março “, comentou.

Artesanato Amazonense em Feira Internacional

Realeza britânica

Rita Prossi, há 30 anos se destaca como símbolo da arte amazônica e sua coleções de bio joias estão na Europa e Estados Unidos da América. A duquesa da Cornualha, no Reno Unido, Camila Rosamaria Shand, esposa do príncipe Charles, herdeiro número 1 da coroa britânica, tem colares e brincos seus em sua coleção da nobreza, que são usados em cerimônias campestres e nos palácios dos Windsor, família real.

Commedia Dell’arte

Marcos Alexandre do Grupo Teçume da Floresta, que também reúne artesãos de Barcelos, Rio Preto da Eva, São Gabriel da Cachoeira e Careiro Castanho, é um expoente do design nativo. Ele emprega seu saber tradicional urdindo fibras tradicionais da floresta com conceitos da arte italiana, como os personagens da Commedia Dell’arte, entre eles arlecrim, pierrot e colombina, em um cenário de multiplicidade étnica e da cultura europeia. Sua mensagem é de bom humor, e está evidenciada nas cores vibrantes de suas peças, uma delas conhecida como Coringa, considerada pelos especialistas um clássico do artesanato amazonense.

“Sou do grupo Teçume da Floresta e participo representando nossa cultura na feira digital. Nós retratamos a sustentabilidade ancestral dos nossos povos com artesanato étnico, mas com algumas pitadas de influência externa. Vamos levar esse conceito para todo o Brasil e o mundo, nesta feira do Sebrae que acontece em Recife”, comentou Marcos Alexandre.

Com informações de Antonio Ximenes