Segurança | AM

Polícia Militar do Amazonas completa 183 anos

Polícia Militar do Amazonas
Polícia Militar do Amazonas
Zukka Brasil
Escrito por Zukka Brasil

Neste sábado (04/04), a Polícia Militar do Amazonas (PMAM) comemora 183 anos de atuação. O comandante-geral da Corporação. coronel Ayrton Norte, destaca o triplo papel desempenhado pela PMAM ao longo de quase dois séculos nas áreas da segurança, educação e social.

“A Polícia Militar do Amazonas é de fundamental importância para a sociedade não somente por sua atuação de policiamento, mas, sobretudo, pelo trabalho que realiza em prol da educação, com a criação dos seus Colégios Militares, e das ações sociais, por meio dos nossos programas de combate às drogas nas escolas e nas comunidades, dos projetos esportivos e das ações comunitárias. A PMAM pensa na sociedade como um todo. São quase dois séculos de lutas batalhas, vitórias e conquistas”, afirmou o coronel.

Embasada na sua missão institucional de preservar a ordem pública e o meio ambiente, a Polícia militar vem atuando em diferentes frentes de trabalho na capital e no interior do Estado, mediante um policiamento ostensivo de excelência, com foco na prevenção, aprimorando sua atuação preventiva com crescimento exponencial, apresentando o aumento de ações preventivas, tendo como destaque o grande número de abordagens a pessoas, carros e ônibus urbanos.

Segurança – Um dos exemplos do importante trabalho executado pela PMAM na segurança foi a sua participação na desocupação do Monte Horebe, considerada a maior área de invasão já existente em Manaus. A ação, que teve início no dia 2 de março, contou com 800 servidores de várias secretarias e autarquias, ocorreu de forma organizada, programada, sem confrontos e foram identificados 2.340 casas e barracos, que foram demolidos após a desocupação.

O comandante-geral explica que policiais militares do Alto Comando, das tropas especializadas, das Companhias Interativas Comunitárias (Cicoms) e até de departamentos administrativos se revezaram diuturnamente para garantir o sucesso da operação e resguardar a integridade física de todos os envolvidos na ação.

“Essa foi uma ação de desocupação que vai ficar na história por vários fatores: a complexidade da área, que já era conhecida como área vermelha, com diversas ocorrências de todos os tipos de crimes; a quantidade de barracos já instalados no local e o tempo que eles já estavam ocupando essa imensa área. Com o planejamento que foi feito em parceria com outros órgãos de segurança e cidadania, conseguimos cumprir mais essa missão, sem qualquer confronto ou ocorrências graves”, disse o coronel Ayrton Norte.

Educação – Atualmente, o Governo do Amazonas, por meio da PMAM e da Secretaria de Educação e Desporto, mantém em funcionamento nove Colégios Militares da Polícia Militar (CMPMs), com um total de 25.389 crianças e jovens matriculados. O coronel Ayrton Norte ressalta que os alunos do CMPM se destacam pela disciplina e pelo elevado índice de aprovações nos vestibulares e em outras competições de cunho intelectual e desportivo, em âmbito regional, nacional e internacional.

“Entre os grandes feitos para o ano de 2019, podemos destacar a conquista de alunos do CMPM V, Tenente Coronel Cândido José Mariano, os quais conquistaram três medalhas, uma de prata e duas de bronze, durante a participação na Olimpíada Internacional de Matemática Sem Fronteiras – World Mathematics Invitational 2019, que aconteceu em julho, na cidade de Fuokohama, noJapão. Os alunos também foram medalhistas da etapa nacional da Olimpíada Internacional de Matemática Sem Fronteiras (OIMSF), engrandecendo não somente a imagem da PMAM, mas do Amazonas e do Brasil”.

Projetos sociais – Atualmente, o Programa de Resistência às Drogas (Proerd) possui em seus quadros 21 policiais militares atuando na capital e 24 atuando no interior do Estado. Além de Manaus e Região Metropolitana (Manacapuru e Itacoatiara), o programa está presente em mais 11 municípios do interior do Estado. No ano de 2019, o Proerd atuou em escolas da rede pública de ensino e também em escolas particulares, totalizando 33.189 alunos atendidos na capital e no interior do Estado.

As ações sociais realizadas pela PMAM também merecem destaque, sendo um deles o projeto Formando Cidadão, que atende jovens entre 12 e 18 anos de idade, que frequentam diariamente as atividades oferecidas pelo programa nos quartéis da Polícia Militar na capital e em seis municípios do interior do Amazonas.

“São atividades que abrem um horizonte de oportunidades contra o risco pessoal e social vivenciado por esses jovens. No ano de 2019, o projeto somou 226.008 atendimentos, com 715 alunos beneficiados”, informou o comandante-geral.

O Projeto Equoterapia já atendeu mais de 800 pessoas desde a sua criação. Atualmente o projeto conta com a participação de 48 alunos, com faixa etária diversa, podendo ingressar a partir dos cinco anos de idade. A maioria dos casos é de pessoas com autismo, síndrome de Down, paralisia cerebral e paralisia dos membros.

O Ronda Maria da Penha é um projeto operacionalizado pela PMAM, que tem como finalidade o acompanhamento das medidas protetivas de urgência deferidas pelo Poder Judiciário e a proteção das mulheres em situação de vulnerabilidade. Desde o início do projeto mais de 12 mil atendimentos já foram realizados, somando um número superior a mil mulheres atendidas. No ano de 2019, foram realizadas 1.790 visitas e acompanhamento de medidas protetivas, 150 vítimas ainda continuam sendo acompanhadas e 258 vítimas foram encerradas por já se sentirem seguras. Foram realizadas neste ano 37 palestras e diversas capacitações com o efetivo operacional da PMAM.

Histórico – O comandante-geral da PMAM, coronel Ayrton Norte, ressalta que é importante que os cidadãos conheçam os antecedentes que alicerçam a criação da Polícia Militar do Amazonas. Ele explica que, no Brasil, com a denominação Guarda Policial nasceu a Força Militar Estadual, através do então presidente da Província do Grão-Pará, general Soares de Andrea, autorizando a criação em qualquer vila da região amazônica de uma Guarda Policial, cuja missão primeira seria combater a revolta dos Cabanos (1835-I840), em 4 de abril de 1837, e cujo efetivo inicial era de 1.339 homens, sendo o primeiro comandante o tenente-coronel de Artilharia Albino dos Santos Pereira.

Em 14 de Novembro de 1938, foram organizadas as Polícias Militares e os Corpos de Bombeiros Militares dos Estados, dos Territórios e do Distrito Federal, cuja competência consiste na manutenção da ordem pública e segurança interna nos Estados; para atuação de forma preventiva através de Policiamento Ostensivo Fardado, e repressivo como força de dissuasão e atender convocação do Governo Federal, em caso de guerra externa.

A Guerra de Canudos mobilizou aproximadamente 12 mil soldados oriundos de 17 estados brasileiros, distribuídos em quatro expedições militares. E, na quarta expedição, sob o comando do general Artur Oscar Andrade Guimarães, se integrou à tropa o então 1º Batalhão de Infantaria da Força Pública do Estado do Amazonas, atual 1º Batalhão da Polícia Militar (1º BPM).

Chamado na ocasião de Batalhão Amazonas, comandados pelo tenente-coronel Cândido José Mariano, a tropa amazonense foi composta por 24 oficiais e 249 praças, partindo de Manaus no dia 4 de agosto de 1897, no navio a vapor Botelho, seguindo para Belém, de onde partiu no Vaso de Guerra Carlos Gomes, passando pelo Maranhão e Pernambuco, chegando a Salvador no dia 24 de agosto de 1897. De forma conjunta com as Milícias de São Paulo-SP e Pará-PA, os amazonenses participaram de vários combates, no período de 24 de setembro a 1º de outubro de 1897.

Durante a Segunda Guerra Mundial, a Polícia Militar atuou contra as potências do eixo colaborando na Batalha da Produção, auxiliou a construção de hospedarias para imigrantes,policiou e organizou o transporte dos chamados “Soldados da Borracha” e trabalhou nos serviços do Porto de Manaus. Também participou da ação contra a invasão boliviana no início do século, quando ocuparam o rio Acre e seus afluentes.