Destaque Saúde | AM

Maternidade Balbina Mestrinho completa 60 anos de história

Maternidade Balbina Mestrinho | Foto: Rodrigo Santos
Maternidade Balbina Mestrinho | Foto: Rodrigo Santos
Escrito por Zukka Brasil | AM

Referência em atendimento hospitalar para gestantes de alto risco, a Maternidade Balbina Mestrinho, da Secretaria de Estado de Saúde (SES-AM), completa hoje (14/05) 60 anos de existência. Mais antiga do estado, a unidade atua em casos de média e alta complexidade com as especialidades de obstetrícia e neonatologia.

A diretora da maternidade, Rafaela Faria, ressaltou que o parto é um momento único na vida de uma mãe e, a cada bebê que nasce, forma-se uma nova família.

“A maternidade é um momento único na vida de toda mulher que planeja ter um filho ao longo da vida, e nós temos a oportunidade de oferecer para ela uma gama de serviços. Atualmente essa mulher pode escolher a modalidade de parto que deseja ter. É muito gratificante, pois a cada bebê que nasce na maternidade, é uma nova família que se forma”, disse.

Para Rafaela, é uma honra fazer parte da história não só da maternidade, mas de todos os que já passaram por ela.

“Eu me sinto extremamente honrada, pois sei que estou podendo dar o meu melhor para que a Balbina possa passar por este ciclo histórico em constante evolução. Foram muitos reconhecimentos e estamos muito felizes em poder prestar os serviços para a mulher amazonense”, afirmou.

A gerente administrativa Ana Ingrid Calderon nasceu na Balbina Mestrinho e hoje faz parte do quadro de servidores da unidade. Ana comentou que trabalhar onde nasceu é um privilégio, e relembra os momentos que viveu em encontro com o local.

“Tenho o sentimento de gratidão em ter nascido e em ter começado a minha vida no local onde hoje conquisto meu marco profissional. Lembro de quando eu era criança e passava pela frente da maternidade, e meus pais falavam que era onde eu havia nascido. Hoje nós observamos o quanto a unidade se modernizou, e fazer parte desta geração é uma honra, pois hoje estou envolvida, e poucas pessoas possuem esse privilégio de trabalhar onde tudo começou”, relatou.

Na quarta-feira (12/05), às 0h19, Talita Pantoja deu à luz o pequeno Tayler Matheus. A mãe afirmou que o tratamento da equipe da CPNI foi excelente, recebendo todo o suporte no trabalho de parto.

“Eu me senti acolhida por toda a equipe e recebi todo o suporte no trabalho de parto que fez toda a diferença para mim e para o meu bebê. Estou encantada com a maternidade e super-recomendo para as futuras mamães. Eu, meu esposo e nosso bebê agradecemos todo o apoio e ficamos felizes em fazer parte da história da Balbina Mestrinho. A infraestrutura do local é impecável, sem dúvidas o melhor lugar para ter um bebê”, enfatizou.

Histórico – No ano de 1961, era inaugurada a Maternidade Balbina Mestrinho, mais precisamente no dia 14 de maio. A unidade ficou conhecida por seis anos com este nome, mas em 1967 houve a substituição para Maternidade “Ana Nery”, nome este que homenageou a primeira enfermeira brasileira da época.

Em 1991, a unidade foi desativada, passando a realizar os serviços nas dependências do Hospital Adriano Jorge, onde permaneceu até 1994, recebendo o nome de Maternidade Maria José Frota. No mesmo ano, a unidade foi reinaugurada e, com isso, houve a retomada do nome dado de início, que permanece até os dias atuais.

Ampliação – Em março deste ano, a Maternidade ganhou uma nova Unidade de Terapia Intensiva Neonatal (Utin). O objetivo foi a ampliação do número de leitos que fazem parte da reestruturação da rede materno-infantil do Estado, por meio do projeto “Renasce Amazonas – Maternidades”, contemplada por meio do Programa Saúde Amazonas.