Cultura | AM

‘Maria Stuarda’ mostra rivalidade entre rainhas no 22º Festival Amazonas de Ópera

Maria Stuarda FAO
Zukka Brasil
Escrito por Zukka Brasil

Não há registros de que Mary Stuart, rainha da Escócia, e Elizabeth I, regente na Inglaterra, tenham se encontrado, porém as figuras históricas entram em conflito na peça de Friedrich Schiller, na qual foi baseado o libreto da ópera “Maria Stuarda”, do compositor italiano Gaetano Donizetti. Segunda montagem a ser apresentada no 22º Festival Amazonas de Ópera (FAO), a versão crítica da obra terá estreia em solo brasileiro no palco do Teatro Amazonas, neste domingo (5/5), às 19h.

O FAO é uma realização do Governo do Amazonas, por meio da Secretaria de Estado de Cultura (SEC), com patrocínio master do Bradesco, por meio da Lei de Incentivo à Cultura, Ministério da Cidadania e Secretaria Especial de Cultura. O evento segue com apresentações de ópera, recitais e concertos até 30 de maio.

Com três horas de duração, incluindo os intervalos, “Maria Stuarda” será apresentada pela Amazonas Filarmônica, Coral do Amazonas e Núcleo de Teatro do Liceu de Artes e Ofícios Claudio Santoro. A direção musical e regência ficam a cargo do maestro Marcelo de Jesus, que destaca a ópera como importante no repertório belcantista, no qual o canto e a voz são as características principais da obra.

“O Bel Canto já faz parte do DNA do Festival. Já fizemos obras de Gioachino Rossini e Vincenzo Bellini que, juntos a Donizetti, são o auge dessa tradição vocal. ‘Maria Stuarda’ tem sido resgatada nos teatros de todo mundo, e já tínhamos esta obra separada para ser realizada. Isso evidencia o quanto o FAO continua se mantendo alinhado em relação ao pensamento contemporâneo. Quando pesquisamos também descobrimos que ainda não havia sido apresentada no país, o que foi uma surpresa para nós”, diz Marcelo de Jesus.

De acordo com o maestro, há um movimento cultural em torno da obra das duas rainhas, nos últimos anos. Na temporada 2019-2020 de The Metropolitan Opera, de Nova York, “Maria Stuarda” está incluída entre as obras que serão apresentadas. A estreia recente do filme “Duas Rainhas” (“Mary Queen of Scots”, 2018) também é reflexo deste movimento.

“A história envolve diversos elementos chamativos para o público. Mary era prima de Elizabeth e tinha direito ao trono da Inglaterra. Porém, Mary era católica, e o reino inglês estava dominado pelo protestantismo, defendido por Elizabeth. Há intrigas políticas, sociais e religiosas, um jogo de xadrez dos tronos que atinge o público e faz parte do conceito da montagem para o FAO”, pontua o regente.

O jogo de poder citado por Marcelo de Jesus é refletido nos cenários de Giorgia Massetani, nos quais o público poderá reconhecer detalhes de um tabuleiro de xadrez, e também nos figurinos assinados por Fábio Namatame, que faz uma releitura dos trajes usados pela realeza e pelos nobres do século 16.

“A obra é belíssima, o elenco de solistas que temos é incrivelmente talentoso e a montagem do FAO é linda visualmente. Estes elementos, unidos às características do enredo, com certeza irão chamar e prender a atenção do público”, afirmou. 

Obra – Quando estreou em 1835, em Milão, na casa de ópera La Scala, “Maria Stuarda” tinha três atos. A versão crítica que será apresentada no Teatro Amazonas tem dois, cantada em italiano. “A versão crítica tem um grande primeiro ato, com dois quadros, e um segundo ato com um quadro. Como sempre no FAO, apresentamos a obra completa, sem nenhum corte”, explica Marcelo de Jesus.

Junto a “Anna Bolenna” e “Roberto Devereux”, “Maria Stuarda” faz parte das chamadas “Rainhas de Donizetti”, obras baseadas no período Tudor (1485-1603). O enredo inicia com Mary aprisionada e mostra, desde o início, um grande confronto entre as duas rainhas.

“Este confronto tem seu ápice quando as duas se encontram e Mary xinga Elizabeth. Tanto Donizetti quanto o libretista Giuseppe Bardari foram transgressores à época, por colocar xingamentos nunca antes vistos numa ópera. Mary diz que Elizabeth é a filha impura de Anna Bolenna e a chama de meretriz, algo bem forte naqueles tempos”, ressalta o regente.

Ainda segundo o maestro, este é o trecho-fetiche da obra, sendo regravado diversas vezes. “O trecho é muito famoso e grandes cantoras de ópera já realizaram gravações apenas desta parte, por ser um trecho marcante e famoso no mundo da ópera”, acrescenta o maestro.

Elenco – O elenco de “Maria Stuarda” conta com Tatiana Carlos (soprano), como Elizabeth; Cristina Giannelli (soprano), como Mary; Dhijana Nobre (soprano), como Anna Kennedy; Paulo Mandarino (tenor), como Roberto, conde de Leicester; Fred Oliveira (barítono), como Cecil; e Pepes do Valle (baixo), como Talbot.

“Tatiana é um jovem talento, com um grande potencial, que faz estreia no FAO. Em contrapartida, temos a experiência da italiana Cristina Giannelli, que já interpretou Mary em três produções. Assim como temos, também, Pepes do Valle, que fará sua 50ª obra, e um dos nossos expoentes do canto, que é Dhijana Nobre. O FAO tem tradição de unir novos e experientes talentos”, comenta Marcelo de Jesus.

A amazonense Dhijana Nobre participa do FAO desde 2009, já tendo feito a “Lucia di Lammermoor” de Donizetti. Ela interpretará a melhor amiga de Mary. “Anna é solicitada, pela própria Mary, para acompanhá-la no momento da execução. Para mim, é um privilégio fazer mais um papel de Donizetti, que é bel canto puro e muito bem estruturado. Também é uma honra poder estar no mesmo palco de grandes nomes nacionais e internacionais da ópera”, declara a soprano.

A carioca Tatiana Carlos faz sua estreia no FAO e no Teatro Amazonas. Já atuou em diversos papéis e agora também fará sua primeira Elizabeth. “Ela é um personagem incrível e complexo. Na história, ela é a vilã, mas não a vejo apenas como isso. É um desafio enorme para mim abraçar toda essa gama de cores e pensamentos que eu vejo nela, e tentar passar isso ao público”.

Com um bacharelado em canto pela Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ), Tatiana está terminando atualmente o mestrado em Performance Vocal na Brigham Young University (BYU), nos Estados Unidos. Há duas semanas em Manaus, a cantora destaca o acolhimento do elenco e dos amazonenses.

“Está sendo uma experiência indescritível estar em Manaus e no Teatro Amazonas. Eu sou a mais nova do elenco e estou me sentindo muito acolhida pela equipe e por todos. O espetáculo está lindo, acredito que o público gostará bastante”, diz.

A ópera “Maria Stuarda” ainda terá reapresentações nos dias 10, sexta-feira, às 20h; e 12 de maio, domingo, às 19h.

Sobre o 22º FAO – Em 2019, o FAO celebra o centenário de nascimento de Claudio Santoro com a apresentação da ópera “Alma”, do compositor e maestro amazonense. Também estão na programação “Tosca”, de Giacomo Puccini; e “Mater Dolorosa”, baseada na cantata “Stabat Mater Dolorosa”, de Giovanni Pergolesi. Na semana passada, foi apresentado “Ernani”, de Giuseppe Verdi, com casa lotada.

O secretário estadual de Cultura, Marcos Apolo Muniz, ressalta que um dos diferenciais este ano é a ampliação do acesso aos espetáculos. O FAO conta com programação nos teatros Amazonas e da Instalação, nos centros culturais Palácio Rio Negro e Palácio da Justiça, em shoppings, hospitais e escolas de Manaus, além de chegar ao interior.

“É um espetáculo grandioso e ficamos felizes pela procura do público. Os ingressos, que são bem acessíveis, têm esgotado em todas as apresentações”, disse ele.

Os ingressos para o FAO 2019 estão à venda na bilheteria do Teatro Amazonas e pelo site Bilheteria Digital (www.bilheteriadigital.com/teatroamazonas), com valores que vão de R$ 2,50 a R$ 60. 

A programação do festival abrange, ainda, o Recital Bradesco, com canções compostas por Claudio Santoro; o projeto “Ópera Mirim”; o encontro “Os Teatros de Ópera e a Economia Criativa na América Latina”, voltado para apresentar dados e casos de sucesso sobre a Indústria da Ópera na América Latina; o concerto do Dia das Mães; e Mulheres da Ópera.

Sobre o Bradesco Cultura – Com centenas de projetos patrocinados anualmente, o Bradesco acredita que a cultura é um agente transformador da sociedade. O Banco apoia iniciativas que contribuem para a sustentabilidade de manifestações culturais que acontecem de norte a sul do País, reforçando o seu compromisso com a democratização da arte.

São eventos regionais, feiras, exposições, centros culturais, orquestras, musicais e muitos outros, além do Teatro Bradesco em São Paulo. Em 2019, estão previstas diversas atrações como o espetáculo “OVO”, do Cirque du Soleil, os festivais de Parintins e Tiradentes, as festas juninas de São João do Caruaru e Campina Grande e o Natal do Bradesco, em Curitiba. Segue em cartaz “O Fantasma da Ópera”.

Ficha Técnica

“Maria Stuarda”

Elisabetta, Regina d’Inghilterra – Tatiana Carlos, soprano

Maria Stuarda, Regina di Scozia – Cristina Giannelli, soprano

Anna Kennedy, Nutrice di Maria – Dhijana Nobre, soprano

Roberto, Conte di Leicester – Paulo Mandarino, tenor

Lord Guglielmo Cecil, Gran Tesitore – Fred Oliveira, barítono

Giorgio Talbot, Conte di Shrewsbury – Pepes Do Valle, baixo

Corpos artísticos:

Núcleo de Teatro do Liceu De Artes e Ofícios Claudio Santoro

Coral do Amazonas

Amazonas Filarmônica

Direção Musical e Regência: Marcelo de Jesus

Direção Cênica: Davide Garattini Raimondi

Cenários: Giorgia Massetani

Figurinos: Fábio Namatame

Desenho de Luz: Fábio Retti

 

Serviço: 22º FAO apresenta “Maria Stuarda”, de Gaetano Donizetti
Data/hora:
 Domingo (5/5), às 19h; dia 10 de maio, sexta-feira, às 20h; e dia 12 de maio, às 19h

Local: Teatro Amazonas, avenida Eduardo Ribeiro, 659, Centro

Entrada: Ingressos com valores de R$ 2,50 a R$ 60, à venda na bilheteria do Teatro Amazonas e pelo site Bilheteria Digital (www.bilheteriadigital.com/teatroamazonas)

Classificação indicativa: Livre

Para mais informações sobre essas e outras ações, projetos e atividades desenvolvidas pela Secretaria de Estado de Cultura, acesse o Portal da Cultura (www.cultura.am.gov.br). Confira também os perfis do órgão no Facebook, Twitter e Instagram – culturadoam.

 

FOTOS: Michael Dantas / SEC