Roraima

História Viva – GUARDIÃ DO SABRE DE MARECHAL RONDON

Guardiã centenária. Imagem: Levi Matos/Polícia Civil
Guardiã centenária. Imagem: Levi Matos/Polícia Civil
Zukka Brasil | RR
Escrito por Zukka Brasil | RR

A equipe do Instituto de Identificação Odílio Cruz realizou um atendimento diferenciado à centenária e guardiã do sabre (pequena espada) de Marechal Rondon, Avelina Pereira, que veio a Boa Vista para tirar a 2ª via do RG.

Com a espada na mão, a idosa, acompanhada de familiares, veio retirar uma nova cédula de identidade.

O diretor do Instituto, Amadeu Triani, explicou que atender a idosa foi um momento especial, pois a ação leva não somente a cidadania em tempos de pandemia, mas que também mostra o cuidado com os idosos e a garantia de seus direitos.

“Além do trabalho diferenciado que temos feito para atender aos idosos, posso dizer que é uma honra para a equipe do Instituto, receber dona Avelina, que na minha interpretação é a representante mais antiga da segurança pública do estado de Roraima, como guardiã do sabre do Marechal Rondon. Essa ação nos deixa muito feliz, pois podemos participar desse atendimento que fica registrado na história”, afirmou o diretor.

ENTENDA A HISTÓRIA – Avelina Pereira, hoje aos 100 anos, é indígena da comunidade do Ticoça, comunidade composta por índios Macuxi, localizada na Terra Indígena Raposa Serra Do Sol, ao Norte de Roraima, no município de Uiramutã.

Segundo a história, o Marechal Cândido Mariano da Silva Rondon veio no dia 02 de novembro de 1927, ao Vale do Rio Branco (Roraima), em viagem de inspeção à Linha demarcatória de Fronteira ao Norte fiscalizando as tarefas ligadas ao SPI (Serviço de Proteção aos Índios).

Em 1930, retornou a Roraima liderando a Comissão Brasileira de Demarcação de Fronteira, quando foi recepcionado pela comunidade do Ticoça.

Em gratidão ao bom atendimento, Marechal Rondon doou o seu sabre, (que para a indígena representa o espírito do militar), ao tuxaua geral da época, Melchior Gregório da Silva.

Após da morte do tuxaua, o sabre foi repassado ao seu filho, Lauro Melchior, esposo de Avelina. Com a morte dele, ela assumiu o posto de guardiã do sabre, função que exerce há mais de 20 anos.

Com informações Secom Roraima