Manaus Sem categoria

Governo do Amazonas adere campanha nacional do ‘Não é Não’

campanha nacional do ‘Não é Não’
campanha nacional do ‘Não é Não’
Zukka Brasil
Escrito por Zukka Brasil

No Carnaval de 2020, o Governo do Amazonas, por meio de parceria entre as secretarias de Justiça, Direitos Humanos e Cidadania (Sejusc) e Assistência Social (Seas), estará nos blocos e bandas de Manaus com a campanha “Não é Não”.

É a primeira vez que o Estado participa da ação contra a importunação sexual no período da folia, criado em 2017, por um coletivo de mulheres.

Segundo a titular da Sejusc, Caroline Braz, a iniciativa conta ainda com o apoio de movimentos sociais que envolvem causas como da criança e do adolescente, LGBT, idosos e Pessoas com Deficiência (PcD).

“Nossas equipes estarão nas ruas para distribuir adesivos e tatuagens temporárias, reforçando que não é não e isso precisa ser respeitado. Mas também atuaremos com abordagens educativas voltadas para este público vulnerável, ação que, por sinal, tem sido bem recebida pelos os foliões”, afirma a secretária. “Nos eventos, teremos o apoio de delegacias móveis para auxiliar as mulheres que eventualmente forem vítimas de importunação sexual, além do Ônibus da Mulher, que tem uma equipe especializada para atendimento e apresentação dos serviços da rede de proteção oferecida pelo Governo”.

Redes sociais – A secretária Caroline Braz adianta que o órgão também lançará a campanha “O que Fazer Se” nas redes sociais para reforçar a importância das denúncias para o combate aos crimes. Ela explica que, a partir do registro oficial dos casos, são criadas as políticas públicas.

“Com a denúncia oficializada, o poder público chega à estatística do problema para que sejam criadas políticas públicas de combate a esses casos. Além disso, o ato da denúncia auxilia na quebra da impunidade e é um direito que pode ser exercido por qualquer cidadão”, destaca a titular da pasta. “Nesta proposta, também incluiremos o combate à importunação sexual contra mulheres motoristas de transporte por aplicativo, uma construção coletiva com os movimentos sociais, uma característica desta gestão”.

Banda oficial – Tradição há dez anos na prévia do Carnaval, a banda “Maria Vem com as Outras”, neste ano, traz o tema “Não é Não, Meu Corpo me Pertence” para o desfile que acontecerá nas ruas do Centro, no dia 14 de fevereiro, às 15h, com concentração na Praça Heliodoro Balbi e acesso gratuito.

Organizado pelo Conselho Estadual dos Direitos da Mulher (Cedim), com apoio do Governo do Amazonas, através da Sejusc, o evento surgiu no Carnaval de 2010, com o objetivo de mobilizar mulheres contra a violência doméstica, principal pauta do Cedim ao longo dos anos.

Campanha – Em 2017, o grupo formado por Barbara Menchise, Aisha Jacob, Julia Parucker e Nandi Barbosa lançou a campanha “Não é Não” contra o assédio no Carnaval de rua do Rio de Janeiro. Com a proposta de colar uma tatuagem temporária nas mulheres durante a folia, as amigas reuniram 40 aliadas do projeto em um grupo de WhatsApp e conseguiram arrecadar cerca de R$ 3 mil e fizeram 4 mil tatuagens.

No segundo ano, o movimento chegou a mais quatro estados como Minas Gerais, São Paulo, Pernambuco e Bahia e, em 2020, chegou ao Amazonas.

Importunação sexual – Qualquer atitude sem consentimento pode ser enquadrada como crime de importunação sexual, e as vítimas podem fazer o registro em qualquer delegacia no Estado.

A Lei 13.718/2018, que tipifica o crime de Importunação Sexual, entrou em vigor no dia 25 de setembro de 2018, após ser sancionada pelo então presidente Michel Temer. De acordo com o Art. 215-A, a importunação sexual acontece quando alguém pratica um ato libidinoso contra o outro sem o consentimento dessa pessoa, com o objetivo de satisfazer o próprio desejo ou de terceiros, neste caso, o agressor pode até não chegar a tocar na vítima, mas a constrange e comete o crime.

A importunação sexual não é válida apenas para as mulheres. Os homens também podem denunciar e a pena para quem comete o delito varia de um a cinco anos de reclusão.

Canais de denúncia – Vítimas de importunação e violência sexual no período do Carnaval podem realizar denúncias por meio de diferentes canais. Entre eles estão o disque 190, 180 e 181, da Central de Atendimento à Mulher, além de qualquer posto policial e da Delegacia Especializada em Crimes contra a Mulher (DECCM).

Para quem precisa de orientação sobre como proceder em casos de importunação e violência sexual, a Sejusc dispõe do Serviço de Apoio Emergencial à Mulher (Sapem), com anexos localizados na Delegacia Especializada em Crimes Contra a Mulher, na avenida Mário Ypiranga, n° 3395, e na rua Nossa Senhora da Conceição, s/nº, bairro Cidade de Deus.

O Sapem integra a Rede de Atenção em Defesa dos Direitos da Mulher e atua diretamente no combate e enfrentamento à violência doméstica e familiar, mas também pode ajudar na orientação em casos de importunação e violência sexual, que podem ocorrer nas festividades de Carnaval.