Política | AM

Futura primeira-dama nega que Bolsonaro seja homofóbico e racista

Futura primeira-dama refuta acusações de preconceito impostas a Bolsonaro- foto: REUTERS
Zukka Brasil
Escrito por Zukka Brasil

A futura primeira-dama do Brasil, Michelle Bolsonaro, nega que o marido, o presidente eleito Jair Bolsonaro (PSL) seja homofóbico, racista ou misógino.

Michelle aproveitou entrevista ao Domingo Espetacular exibida neste domingo (28) na Record para rebater essas acusações.

“Ele é tachado como fascista, homofóbico, e nós temos amigos gays. Eu tenho um primo gay”, afirmou Michelle, quando questionada sobre declarações do capitão reformado que apontam o contrário.

Bolsonaro já afirmou ser incapaz de amar um filho homossexual, dizendo preferir que um de seus filhos morresse em acidente do que aparecesse “com um bigodudo”.

Durante a campanha, amenizou o tom, dizendo que nunca foi contra os gays, mas que combate o “kit gay” nas escolas. A divulgação de livro que ele dizia ocorrer nunca foi feita pelo MEC, e o TSE determinou a retirada de conteúdo falso que informava o oposto.

Apesar de mais contido no tema, Bolsonaro ofereceu um beijo em tom de brincadeira para uma apoiadora homossexual. “Meu beijo cura, hein?”, disse, como se o ato fosse capaz de converter a orientação sexual da mulher.

Michelle refutou que o marido seja racista, na mesma linha de raciocínio que usou para negar homofobia. “Ele é tachado como racista. Um dos melhores amigos dele há 20 anos é o Hélio Negão.”

Hélio foi eleito deputado federal na esteira da popularidade do capitão reformado, utilizando o nome de Hélio Bolsonaro nas urnas –foi o mais votado no Rio de Janeiro. Jair Bolsonaro já respondeu pergunta sobre seus filhos se apaixonarem por uma negra dizendo que não corria “esse risco” porque eles “foram muito bem educados”.

Em 2017, disse em palestra que os quilombolas não servem nem para “procriadores”. A frase motivou denúncia sobre racismo, que foi recusada em setembro pelo STF.

Em relação a misoginia, Michelle demonstrou confusão na resposta, fazendo menção a xenofobia. “Ele é tachado como misógino e ele é casado com quem? Com uma filha de um cearense.”

Bolsonaro já afirmou que não empregaria homens e mulheres como o mesmo salário, apesar de ter “muita mulher que é competente” e que não estupraria uma colega congressista porque ela não merecia.

Disse também que um índio que tinha lhe atirado um copo de água em protesto deveria comer capim para manter as suas origens.

Na entrevista à Record, a futura primeira-dama disse acreditar que o marido terá a chance de demonstrar que não é o que suas declarações demonstraram. “Tenho certeza que Deus estát dando essa oportunidade pro Brasil conhecer o Jair de verdade.”

Sobre a vida doméstica, Michelle disse que o presidente eleito faz questão de sempre fazer o café da manhã em casa, mas que “não está mais compensando” porque “ele deixa a cozinha toda bagunçada”. “Sou eu que arrumo”, afirmou.

Sobre o atentado sofrido em 6 de setembro pelo então presidenciável, disse não ter sentido medo de perdê-lo, mas sim tristeza por ele “precisar passar por aquilo”. E fez um apelo. “Peço que Deus venha a colocar temor e amor no coração dessa pessoa [o autor da facada], porque é muita maldade. É um ser humano muito mau.”

Informações da Folhapress publicadas no Notícias ao Minuto

Deixe um comentário