Saúde | AM

Deputado pede uso de 700 leitos hospitalares inativos para casos de Covid-19

DEPUTADO RICARDO NICOLAU
DEPUTADO RICARDO NICOLAU
Zukka Brasil
Escrito por Zukka Brasil

O deputado estadual Ricardo Nicolau (PSD) solicitou ao governo do Estado a elaboração de um levantamento das unidades de saúde públicas e privadas que possuam espaços desocupados e com condições de receber novos leitos para o atendimento de casos do novo coronavírus (Covid-19).

Favorável à montagem de hospitais e leitos de campanha, o parlamentar ponderou que é necessário, primeiramente, assegurar a utilização máxima da capacidade instalada de todos os hospitais existentes antes de se direcionar recursos públicos para estruturas temporárias.

“O Estado precisa levantar quantos leitos poderiam ser abertos dentro das unidades hospitalares que já existem. Se os dados epidemiológicos mostrarem que ainda assim não seria suficiente, aí sim partiríamos para os hospitais de campanha. Porque para construir um hospital é preciso de condições mínimas, como abastecimento de gás, de oxigênio, de ar comprimido”, explicou.

Exemplos – Ricardo Nicolau citou exemplos na rede estadual de saúde que não funcionam com 100% da capacidade instalada atualmente, como o Hospital Universitário Getúlio Vargas (HUGV), a Fundação Hospital Adriano Jorge (FHAJ), o Hospital Chapot Prevost e a Fundação Centro de Controle de Oncologia do Amazonas (FCecon).

Entre as unidades da rede particular, o deputado mencionou o Hospital Nilton Lins, que se encontra desativado, e o Hospital Beneficente Português.

“No Hospital Nilton Lins, salvo engano, são 400 leitos já com rede de gás e estrutura pronta. O HUGV tem capacidade para 300 leitos e não estão sendo utilizados”, afirmou.

“O momento é de tomar todas as precauções porque quando houver uma quantidade grande de casos do Covid-19, o sistema de saúde não vai suportar. E tenho informações de que todos esses hospitais possuem enfermarias e andares sem utilização ou destinados a outros fins que não são atividades de assistência”, concluiu Ricardo Nicolau.