Destaque Roraima

Denarium discute em reunião do CAS sobre novas estratégias de investimentos

Antonio Denarium | Foto: Ederson Brito
Antonio Denarium | Foto: Ederson Brito
Zukka Brasil | RR
Escrito por Zukka Brasil | RR

Roraima – Mesmo diante da pandemia do Coronavírus (COVID-19), que provocou a desaceleração da economia do Brasil, o Governo de Roraima redobrou os esforços para manter os investimentos de vários setores de produção do Estado. Para isso, o governador Antonio Denarium participou de uma videoconferência com o Conselho de Administração da Suframa (Superintendência da Zona Franca de Manaus).

A reunião ocorreu na manhã desta quinta-feira, 2, e contou com a presença do secretário de Planejamento e Desenvolvimento, Diego Prandino; do superintendente da ZFM (Zona Franca de Manaus), general Algacir Antônio Polsin; e do secretário especial de produtividade do Ministério da Economia, Carlos da Costa.

Na ocasião, o governador apresentou novas demandas aos conselheiros para garantir um amplo desenvolvimento econômico do Estado.

“Dentre as propostas discutidas, está à internacionalização do Terminal de Logística de Carga do Aeroporto Internacional de Boa Vista Atlas Brasil Cantanhede. Essa medida permitirá que as importações de mercadorias cheguem direto ao Estado, que posteriormente fará a redistribuição das cargas para todo o País”, explicou.

Ainda durante a videoconferência, Denarium solicitou apoio do Conselho de Administração da Suframa para ajudar no processo de regularização fundiária da Amazônia Legal, assim como para a regularização ambiental com a implementação do ZEE (Zoneamento Ecológico-Econômico)

“A regularização fundiária é fundamental para que possamos dar continuidade aos investimentos no setor agrícola. Torço também para que seja feita a regularização ambiental de diversas áreas, o que vai ajudar o meio ambiente, evitando o desmatamento ilegal e os incêndios florestais”, destacou.

O governador informou que todos os projetos apresentados para o desenvolvimento para a ZFM foram aprovados no momento da videoconferência pelo Conselho de Administração da Suframa.

“O encontro foi muito positivo, pois reuniu representantes de governos estaduais, de prefeituras de capitais, do Basa [Banco da Amazônia], do BNDES [Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social] e da Federação do Comércio de Bens, Serviços e Turismo. Todos, unidos em busca de soluções para o desenvolvimento econômico, geração de emprego e renda na Amazônia.”, mencionou.

Linhas de crédito

Outro ponto importante que foi inserido na pauta de discussão do Conselho de Administração da Suframa, do qual o governador Antonio Denarium faz parte, foi a ampliação do limite de financiamentos do FNO (Fundo Constitucional de Financiamento do Norte), para promover um desenvolvimento econômico maior do Estado.

“A reunião do Conselho foi importante, pois conseguimos atingir o resultado esperado. Juntos com o Conselho de Administração da Sudam [Superintendência do Desenvolvimento da Amazônia], ampliamos o limite de financiamentos do FNO destinados aos diversos setores empresariais do Estado”, enfatizou.

Em 2020, o Basa já investiu R$1 bilhão em Roraima, no seguimento de empresas de geração de energia elétrica e em empreendimentos do ramo agropecuário. O governador informou que, em 2019, o Estado um apresentou um crescimento dos investimentos por meio da Sudam de ativos financeiros de financiamentos de linhas de créditos.

“Comparando os anos de 2018 e 2019, percebemos um crescimento de 226%. Dos R$ 491 milhões disponibilizados para financiamentos, já foram utilizados R$ 75 milhões. Ainda contamos a disponibilidade de cerca de R$ 420 milhões para serem utilizados do FNO para este ano”, contabilizou.

O governador aproveitou para fazer um convite aos produtores do Estado, para que procurem o Basa e efetuem o financiamento de seus empreendimentos por meio do FNO. O Banco do Brasil também foi outra alternativa de instituição financeira citada por ele para se buscar linha de crédito.

“Os produtores rurais da agricultura familiar, os empresários do comércio e da indústria podem procurar o Basa e também o Banco do Brasil que, juntos, estão oferecendo mais de R$ 900 milhões em linhas de crédito neste ano, para financiamentos em todos os setores. As taxas de juros do FNO estão baixas e giram em torno de 6% ao ano”, acrescentou.

Com informações de apoio RODRIGO SANTANA