Economia | AM

Banco da Amazônia e Governo do Amazonas marcam Assinatura de Protocolo para próxima terça

Banco da Amazônia
Foto: Internet
Zukka Brasil
Escrito por Zukka Brasil

Com objetivo de estimular o desenvolvimento de projetos sustentáveis para o Amazonas, o Governo do Estado e o Banco da Amazônia assinam no próximo dia terça-feira (03), um Protocolo de Intenções para impulsionar os negócios sustentáveis dos nove municípios onde há agências e suas jurisdições nas regiões. A cerimônia de assinatura será realizada no Auditório da Sede do Governo do Estado do Amazonas, às 10h.

De acordo com o superintendente regional do Amazonas, André Vargas, o protocolo entre o Governo e o Banco da Amazônia tem por objetivo mobilizar e integrar as classes produtoras e demais parceiros institucionais para a aplicação dos recursos de fomento disponíveis, em apoio ao desenvolvimento dos setores produtivos do Amazonas, em bases mais sustentáveis.

O Banco da Amazônia disponibilizará aos setores produtivos do Estado do Amazonas, recursos financeiros de até R$ 1,75 bilhão, sendo R$ 1,45 bilhão para crédito de fomento da fonte FNO e R$ 301,25 milhões na Carteira Comercial, para aplicação em operações que se enquadrem nos programas de financiamento operacionalizados pelo Banco da Amazônia, em conformidade com o Plano Estadual de Aplicação dos Recursos Financeiros 2020, que é parte integrante deste instrumento contratual.

No âmbito regional, o Banco da Amazônia disponibilizará também para as unidades federadas da Região Norte, em conformidade com a demanda apresentada pelos estados, recursos financeiros adicionais da fonte FNO no valor de até R$ 99,33 milhões para fins de financiamento ao Programa Estudantil – FIES. Serão disponibilizados ainda, recursos financeiros de outras fontes operacionalizadas pelo Banco da Amazônia no valor de até R$ 204,50 milhões, que serão contratados, segundo a demanda apresentada pelo Estado.

“O trabalho conjunto prevê, ainda, contribuir com a estruturação e o fortalecimento dos aglomerados econômicos, arranjos produtivos locais e as cadeias produtivas do Estado e criar iniciativas que reduzam as desigualdades locais”, explica André Vargas.

A parceria também objetiva a promoção da cultura do empreendedorismo consciente, estimulando e apoiando a adoção de melhores práticas produtivas sustentáveis, por meio de negócios que gerem distribuição de renda, criem oportunidades de ocupação de mão de obra e de emprego e promovam a inclusão social.