Economia | AM

AGRONEGÓCIO: Avicultores tratam do cadastro e registro de suas granjas

FAEA Muni Lourenço
Presidente da FAEA, Muni Lourenço | Foto: Ascom
Escrito por Zukka Brasil | AM

Com o fortalecimento da cadeia produtiva do ovo, em função do valor de sua proteína, e os menores preços do mercado, frente à carne, por exemplo, a população passou a consumir abundância de ovos, o que tem levado ao crescimento do setor da avicultura.

Com o objetivo de regularização de granjas de todos os tamanhos, quanto ao cadastro e registro, a Associação Amazonense de Avicultura (AAMA) e a Federação da Agricultura e Pecuária do Estado do Amazonas (FAEA) estão convocando os avicultores para uma reunião no dia 8 de julho, às 14h, no auditório da Secretaria de Estado da Produção Rural (SEPROR) localizado na rua Carlos Drummond de Andrade, 1460, no bairro do Japiim.

Na ocasião, serão tratadas questões relacionadas ao cadastro e registro dos estabelecimentos avícolas, para eles poderem emitir a Guia de Transporte Animal (GTA), com o objetivo de transportar os pintos para fins de postura e abate, oriundos dos incubatórios.

Representantes da Agência de Defesa Agropecuária e Florestal do Estado do Amazonas (ADAF), do Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (MAPA); da FAEA, SEPROR, Instituto de Desenvolvimento Agropecuário e Florestal Sustentável do Estado do Amazonas (IDAM); Conselho Regional de Medicina Veterinária (CRMV) e a diretoria da AAMA estarão presentes, para orientar como proceder com este documento, tão importante para a categoria.

O presidente da AAMA, Luiz Mário Boratto Peixoto, disse “que é fundamental a realização de cadastro ou registro dos avicultores, para que eles se adéquem às exigências do MAPA e da ADAF, nos padrões sanitários e de transporte exigidos pela legislação”.

O presidente da FAEA, Muni Lourenço, disse “que tudo que for feito para o fortalecimento da avicultura regional é bem-vindo, porque é um setor importante para a população pelos benefícios dos ovos à saúde e, também, pelo custo/benefício pelo seu alto valor proteico e pelo consumo em grande escala da população”.