Amazonas

AAM entrega à sessenta servidores curso para captação de recursos federais

AAM
Redação
Escrito por Redação

AAM – Entre 40% a 60% dos recursos federais para programas nas áreas de saúde, educação, infraestrutura e diversos outros setores, que poderiam ser repassados aos municípios amazonenses, são perdidos por falta de qualificação técnica para obtenção das informações necessárias sobre a existência e utilização de verbas já previstas nos orçamentos de órgãos e autarquias da União.

Os dados foram apresentados na manhã desta terça-feira (11), em Manaus, na abertura do curso de Captação de Recursos e Plataforma + Brasil, promovido pela Associação Amazonense de Municípios (AAM), juntamente a Confederação Nacional de Municípios (CNM), com a participação de servidores de 60 prefeituras do interior e também representantes do Governo do Estado.

Durante as aulas, ministradas pela consultora técnica da CNM, Marli Burato, foram apresentadas duas ferramentas gratuitas e online nas quais é possível acompanhar e verificar onde estão os recursos, quanto é o valor e como fazer para obtê-los: as plataformas Êxitos, desenvolvida pela própria Confederação, e a + Brasil, do Ministério da Economia / União.

Ainda de acordo com as informações apresentadas pela consultora, além dos recursos da União não utilizados por falta de informação e acesso aos dados, cerca de 40% de todas as verbas de emendas parlamentares no País não chegam aos seus destinos por falta da documentação necessária.

O presidente da AAM e prefeito de Maués, Junior Leite, ressaltou a promoção do curso, o primeiro de capacitação aos servidores municipais promovido pela entidade em 2020, e também defendeu a criação e organização de uma rede estadual de captação de recursos e multiplicadores de conhecimento sobre o tema.

“Além das distâncias geográficas, as administrações do interior sofrem com o isolamento institucional, fator que gera prejuízos diretamente no cotidiano da população. Com a troca constante de informações entre as prefeituras das mais diversas regiões do Estado e o estabelecimento de um modelo de trabalho e de atuação, poderemos em breve, criar um amplo canal no qual toda a sociedade será beneficiada”, avaliou Junior Leite.

Participante do curso, o representante da Secretaria de Educação do município de Iranduba, Hugo Mateus, afirmou que atualmente, é muito difícil para qualquer gestor, especialmente em sua área, manter os investimentos e os serviços sem o suporte de outras fontes de recursos além dos próprios.

“A demanda por novas escolas, professores, equipamentos cresce ano a ano, mas os recursos não são reajustados, por isso, é fundamental sabermos e acompanhar o que existe à disposição para novos projetos e investimentos”, analisou Mateus.

A mesma opinião é compartilhada pela servidora da Secretaria de Finanças do município de Anamã, Ana Célia Antunes, que ressaltou ainda, os problemas de infraestrutura, como o acesso à Internet no interior, como fator que prejudica o acesso aos dados e informações atualizadas.

“Quanto mais informação melhor, especialmente no caso do nosso município, que neste momento está sob ameaça da cheia, que não pode paralisar o serviço público e o atendimento à população, principalmente ribeirinha”, explicou a servidora.

Com informações a assessoria